Ator e cineasta David A.R. White, do filme
Ator e cineasta David A.R. White, do filme "Deus Não Está Morto"

O ator e cineasta David A.R. White, do filme “Deus Não Está Morto” perguntou por que Hollywood ignora grandes setores da população que frequentam as igrejas nos Estados Unidos, especialmente quando o país enfrenta tempos “sombrios” e “divisivos”.

“A Páscoa é uma época em que as famílias podem se reunir e discutir, comunicar esperançosamente na mesa de jantar”, disse White em uma entrevista à Fox & Friends no domingo.

“O que fez com que a franquia ‘Deus não está morto’ realmente se conecte com as pessoas é que ela abre conversas de muitas maneiras diferentes. Estamos vivendo neste momento de divisão social e política, quando parece que muitas pessoas estão gritando e ninguém está escutando. Espero que este filme faça as pessoas se conectarem e abram essas conversas”, disse ele sobre seu filme “Deus não está morto: uma luz nas trevas”, que estreou nos cinemas na semana passada.

White apontou que Hollywood ignora amplamente o público baseado na fé, apesar do tamanho da população na América.

“Há uma estatística que diz que 100 milhões de pessoas vão à igreja uma vez por mês. Hollywood há muito tempo esqueceu que as pessoas anseiam pela fé, têm o desejo de ir a filmes que elevam e inspiram o espírito humano, e é isso que estamos descobrindo agora”, disse ele, falando do sucesso de vários filmes baseados na fé nos últimos tempos. “Esses filmes sobre fé estão no mercado, os números são extraordinários, e percebemos cada vez mais que isso é algo que as pessoas querem ver”.

O produtor observou que o último capítulo “Deus não está morto” aborda questões desafiadoras, como se Deus é bom o tempo todo.

No final, ele disse que a missão é fazer com que as pessoas se comuniquem umas com as outras e “parem de gritar e começar a ouvir”.

Fonte: Guia-me