A Igreja belga tem sido abalada por escândalos de pedofilia, desde a demissão de um bispo que reconheceu ter violentado o próprio sobrinho.

O chefe da Igreja Católica belga, envolvida em escândalos de pedofilia, pediu clemência nesta quarta-feira aos religiosos mais velhos acusados de abusos contra crianças, ao avaliar que processá-los seria como praticar “um tipo de vingança”.

Os padres pedófilos “devem, logicamente, tomar consciência do que aconteceu em suas vidas, mas se não estão mais na ativa, se não têm mais nenhuma responsabilidade, não sei se exercer um tipo de vingança que não tem nenhum resultado concreto é uma solução humana”, declarou o arcebispo André-Joseph Léonard.

O clérigo deu estas declarações em entrevista ao canal de TV pública RTBF, segundo trechos exibidos na internet.

“Por acaso, [as vítimas] desejam realmente que um bispo de 85 anos seja agora, de repente, posto na berlinda, censurado publicamente? Acho que a maioria não deseja isto”, acrescentou o primaz belga, que pertence à ala conservadora da Igreja.

“A Justiça é, antes de tudo, que as vítimas tenham sido escutadas”, disse.

À pergunta de se não seria positivo punir os culpados dos abusos, Léonard respondeu: “punidos, com certeza, se continuarem ativos, embora seja apenas para prevenir outros possíveis deslizes; mas a vingança levada até o fim, não sei se é humano”.

A Igreja belga tem sido abalada por escândalos de pedofilia, desde a demissão, em abril, do bispo de Bruges, que reconheceu ter violentado o próprio sobrinho.

Em setembro, um relatório com o testemunho de cerca de 500 vítimas de padres pedófilos –abusos cometidos principalmente entre os anos 1950 e 1980– aumentou o mal-estar.

André-Joseph Léonard foi criticado por não ter anunciado medidas fortes contra os sacerdotes pedófilos.

[b]Fonte: Folha Online
[/b]