A disputa é teológica, pastoral, evangelística, mas também midiática. Enquanto a Rede Record, da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), canaliza investimentos no complexo de comunicação da empresa Caldas Júnior, de Porto Alegre, recentemente adquirido, a Igreja Católica prepara a implantação da terceira rede de emissoras de televisão em sinal aberto no país.

Além da Rede Vida, inaugurada em 1995, e da TV Canção Nova, de 1998, a TV Aparecida, dos missionários redentoristas, inaugurada em 8 de setembro de 2005, também pretende alcançar abrangência nacional.

A repórter Elvira Lobato levantou, em matéria publicada na Folha de São Paulo, que a Igreja Católica tem 12 emissoras em funcionamento e mais outras 14 concessões já autorizadas pelo governo e que devem ser implantadas. A IURD tem 22 emissoras geradoras. Mas só a Rede Vida tem 431 retransmissoras, metade delas mantidas por dioceses.

A TV Aparecida opera com um custo mensal de 1,5 milhão de reais (cerca de 750 mil dólares) financiados pelo Santuário de Aparecida e por publicidade. O diretor da emissora, padre César Moreira, disse para a repórter da Folha que a proliferação de emissoras católicas acontece porque a igreja “tem vários rostos” e cada um segue modelos teológicos. A Rede Canção Nova, por exemplo, representa o movimento carismático.

Outra matéria na Folha de São Paulo revela que uma em cada 20 emissoras de rádio existentes no Brasil pertence à Igreja Católica. A Rede Católica de Rádios (RCR) conta com 215 concessões FM, AM, ondas curtas e ondas tropicais. No total, no país funcionam 4.546 emissoras de rádio.

Fonte: ALC