A Arquidiocese do Rio mandou distribuir entre suas mais de 200 paróquias 750 cartazes coloridos em tamanho A3 que pedem aos fiéis que não votem em candidatos favoráveis à descriminalização do aborto.

A ação, que se soma à publicação de um folheto com “os pré-requisitos de um bom candidato”, faz parte de uma campanha nacional que quer um “parlamento em defesa da vida”.

“Recentemente, houve várias tentativas de descriminalização do aborto no Congresso. Muitos projetos já foram longe na Comissão de Seguridade Social e Família. Um deles ficou por um voto para ir a plenário”, disse à Folha o bispo auxiliar dom Dimas Lara Barbosa.

No cartaz, vê-se a foto de um feto na barriga da mãe e as frases: “Por um Parlamento em defesa da vida. Vote em quem é contra a legalização do aborto. A vida depende do seu voto”.

Segundo o bispo, vários políticos apóiam o aborto, mas alguns, como a candidata ao senado pelo Rio Jandira Feghali (PC do B), se destacam.

“Ela é a principal mediadora do movimento do aborto, mas no PT e no PV também há ações no mesmo sentido. Só o Prona é claramente contra.”

A partir do dia 15, no site www.brasilsemaborto.com.br serão listados os candidatos que aderiram ao movimento.

A ONG Cidadãos pela Vida colabora no listagem dos candidatos contrários ao aborto.

“Segundo o diretor do comitê da campanha no Rio, Rodrigo Martins, “90% da população é contra o aborto, mas mais de 50% dos parlamentares são a favor, sobretudo Feghali”.

À Folha Feghali disse ser injusta a acusação e informou que luta pelo debate.
“A convicção de cada um não deve interferir na lei, que precisa ampliar os direitos”, disse ela.

Fonte: Folha de São Paulo