A ex-superiora da Congregação das Ursulinas, María Isabel Lagos, conhecida como Irmã Paula, é acusada de pedofilia.

O Arcebispado de Santiago se negou ontem a entregar para a Promotoria Ocidental do Chile informações a respeito de denúncias de abusos sexuais e investigações eclesiásticas contra a ex-superiora da Congregação das Ursulinas, María Isabel Lagos, conhecida como Irmã Paula, atualmente afastada do cargo.

A Igreja se ateve ao direito de manter “segredo canônico” para negar as informações solicitadas mediante intimação da promotora Paula Zárate no último dia 19 de abril. A informação foi divulgada hoje pelo jornal chileno La Tercera.

Após a recusa feita ontem, a Promotoria enviou ao Arcebispado um novo ofício pedindo apoio para localizar eventuais testemunhas ou vítimas da religiosa de 66 anos.

Zárate interrogou Mónica Salinas na última semana, que confirmou a denúncia que fez a uma rede de televisão, quando disse ter sofrido abusos sexuais da Irmã Paula.

Existem outras denuncias contra a religiosa sendo julgadas nos tribunais chilenos atualmente.

[b]Fonte: Ansa[/b]