Um manual de batismo produzido por populares da igreja norte-americana Elevation Church, da Carolina do Norte (EUA), tem sido criticado por sua “manipulação emocional”.

O manual ensina como produzir batismos “espontâneos” entre as pessoas que estão dispostas a pedir perdão por seus pecados.

Entre as razões para ter gerado tanta polêmica, o manual traz diversas estratégias, com um passo-a-passo para incentivar as pessoas a participarem da experiência de adoração de maneira coordenada, com um número específico de fieis fingindo a entrega para que outros se encorajem.

“Quinze pessoas vão se sentar diante da experiência de adoração e serem os primeiros a se mover quando o pastor fizer a chamada. Sentem no auditório e comecem a se mover para a frente quando o pastor pedir. Mova intencionalmente através das áreas de maior visibilidade e longa caminhada”, orienta o manual.

Com a divulgação do manual, James Duncan, blogueiro cristão e professor de comunicação em uma universidade local, decidiu se manifestar com a acusação de que a tática é algo ardiloso que só serve para fazer as pessoas de tolas.

Duncan relata que quando a entrega é feita com “confiança e determinação, não há necessidade de reforçar esta decisão”, ressaltando que o pastor Steven Furtick, responsável pelo manual, está mal-intencionado com seu método, independente do objetivo ser a condução ao sacramento.

Em sua defesa, Furtick aponta que seu trabalho é apenas uma forma de estimular quem está intimidado, pois apenas pessoas que sentem em seu coração que “Deus está lhe chamando” é que partirão em busca do batismo.

Outro blogueiro cristão, Christopher Smith rotulou a proposta de Furtick como algo “ridículo ao extremo”, que gera uma reprodução deformada da entrega pela fé, como se fosse um produto ou algo comercial, pedindo para que outras igrejas não tomem o mesmo rumo.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]