O pastor luterano Ilo Utech, de Manágua, confirmou que o bispo da Igreja Luterana de El Salvador, Medardo Gómez, solicitou audiência ao Promotor Geral da República e à Comissão de Segurança da Assembléia Legislativa salvadorenha para expor e discutir o tema da segurança.

O bispo também será recebido pela Procuradora de Direitos Humanos, Beatriz de Carrillo, e o delegado da ONU, Manuel Sevilla, para tratar do tema da violência e do caso do casal Carrillo, assassinado no sábado, 4 de novembro, quando fechava as portas do templo depois de um culto em Jayaque.

Após a morte de quatro de seus membros em poucos meses, a comunidade luterana salvadorenha está atemorizada e pede justiça para que os crimes não fiquem impunes. O bispo Gómez confirmou que dias antes de serem assassinados, os pastores Carrillo-Calzada tinham sido ameaçados de morte.

Eles eram defensores dos direitos humanos. Os assassinos, desconhecidos, os surpreenderam, tanto que o crime não teve testemunhas. Primeiro dispararam contra o automóvel em que estava a pastora Jesús. Depois, procuraram o marido dela junto à porta o templo.

O líder luterano disse que antes do assassinato atroz do casal Carrillo, um fiel da igreja luterana Ressurreição também morreu vítima da violência empreendida por quadrilhas.

O pastor Utech, líder da igreja Fé e Esperança de Manágua, disse que se solidariza com a igreja irmã de El Salvador e que, em nome da comunidade luterana da Nicarágua, pede ao governo uma investigação no caso dos luteranos vítimas da violência.

Utech comentou que El Salvador converteu-se no país mas violento da América Latina, depois da Colômbia.

Fonte: ALC