“Poucos religiosos poloneses serviram de espiões para o regime comunista e seu papel nos temidos serviços secretos era marginal”: é o que afirma um estudo realizado pelo Episcopado polonês.

A Conferência Episcopal Polonesa apresentou os resultados da pesquisa realizada em janeiro passado, quando Dom Stanislaw Wielgus, que acabara de tomar posse do governo pastoral da Arquidiocese de Varsóvia, admitiu ter colaborado com o serviço secreto comunista, e apresentou sua renúncia ao cargo.

“O relatório mostra um relevo somente marginal da cooperação com o regime” _ afirma um comunicado.

As reiteradas revelações sobre membros do clero e religiosos que teriam “espiado” seus colegas foram causa de embaraço para a Igreja Católica na Polônia, que desempenhou um papel quase que determinante na queda do regime comunista, em 1989.

Alguns historiadores consideram que 10% dos sacerdotes poloneses poderiam ter cooperado _ consciente ou inconscientemente _ com a polícia secreta do regime comunista.

Fonte: Rádio Vaticano