A Conferência Episcopal da Venezuela (CEV) considerou que a renúncia de Fidel Castro à presidência de Cuba marca “a consolidação de uma nova etapa histórica” no país e uma oportunidade para pôr um fim ao bloqueio econômico imposto pelos Estados Unidos.

O presidente da CEV, Ubaldo Santana, disse que “a renúncia de Fidel e, conseqüentemente, a consolidação de uma nova etapa histórica na ilha para nós é muito importante”.

“Esperamos que com essa nova situação se suspenda o bloqueio e todas as medidas que impediam que o povo cubano se desenvolvesse em liberdade, em plena democracia”, disse o clérigo.

Santana reiterou que a Igreja Católica sempre acompanhou a posição do Vaticano em considerar o bloqueio “injusto e desumano, que gera fome e destruição do ser humano e não é uma medida que pode contribuir com a consolidação da democracia”.

O religioso também enviou suas saudações à Igreja de Cuba e desejou “os melhores presságios à nação e ao clero cubano”. “Mando meus cumprimentos e uma bênção à Igreja de Cuba, que sempre foi uma fiel testemunha e companheira, uma guia e uma professora do povo cubano e de toda a comunidade dessa grande ilha caribenha”, concluiu Santana.

Fidel Castro, de 81 anos, anunciou, após 49 anos no poder, sua renúncia ao cargo de presidente do Conselho de Estado e de Comandante-Chefe de Cuba.

Fonte: Ansa