Cristãos na Ásia
Cristãos na Ásia

As igrejas evangélicas do Turcomenistão foram as únicas a não obter registro oficial. Por isso enviaram uma carta apelando a ajuda do presidente Gurbanguly Berdimuhamedov para receber a licença de funcionamento. Na carta, eles mencionaram que o Turcomenistão alega ter liberdade de religião.

Além de pedir um prédio para realizar os cultos, as igrejas pediram também permissão para abrir uma livraria cristã. A carta também contém vários exemplos de restrições impostas aos cristãos.

Alguns irmãos foram presos e igrejas tiveram batidas policiais durante o culto. Algumas pessoas até mesmo perderam seu emprego quando se tornaram cristãs.

Os cristãos pedem oração para que Deus incline o coração do presidente e ele possa agir em favor da liberdade de religião que o país diz ter. Que mudanças aconteçam na prática e não somente na teoria. Interceda para que as igrejas tenham o direito de ter um lugar de culto, e não precisem mais se reunir apenas secretamente em restaurantes e lanchonetes.

Como vivem os cristão no Turcomenistão

O Turcomenistão ocupa o 19º lugar na atual Lista Mundial da Perseguição, sendo uma das nações mais repressoras do mundo, onde não há liberdade de informação ou de imprensa. Os turcomenos são obrigados a prestar culto à personalidade de um líder autoritário, nesse aspecto, não é estranho chamar o país de “”Coreia do Norte da Ásia Central””. Há um alto nível de monitoramento de todos os grupos na sociedade, o que inclui os cristãos. Todos os meios de comunicação públicos, inclusive o acesso à internet, estão sob controle estatal.

Cultos são monitorados, inclusive as reuniões domésticas e a impressão, importação e distribuição de Bíblias e materiais cristãos são restritas. Os cristãos de origem muçulmana suportam um peso maior da perseguição, que vem tanto do Estado como da própria família, amigos e comunidade.?

A liderança do país é controversa em assuntos religiosos, pois ao mesmo tempo em que a liberdade de religião é protegida pela Constituição, a liderança política viola esse direito dos cidadãos de várias formas. A conversão a qualquer outra religião que não seja o islã é uma questão que desencadeia a reação mais feroz no âmbito social e cultural, pois é considerada uma afronta à honra da família e ao Estado.

Infelizmente, entre as denominações cristãs ativas há muita divisão, o que torna a igreja ainda mais fraca nessa região. A Portas Abertas tem fortalecido a Igreja Perseguida na Ásia Central por meio de distribuição de literatura cristã, apoio em oração, treinamentos bíblicos, ministério de presença, projetos geradores de renda e ajuda emergencial. Você também pode colaborar com os nossos irmãos turcomenos orando por eles.

Fonte: Missão Portas Abertas