Um homem de Dallas, nos Estados Unidos, que passou mais de 27 anos na prisão por um homicídio que não cometeu foi libertado, depois de ter ficado encarcerado mais do que qualquer outra pessoa condenada equivocadamente nos Estados Unidos.

O caso foi esclarecido através de um exame de DNA. Ao deixar a prisão, James Lee Woodard levantou os braços e comemorou diante de dos fotógrafos que o aguardavam.

Um grupo de pessoas que esperava a sua saída aplaudiu no momento em que ele apareceu. “Palavras não podem expressar o quão trágica é essa história”, disse o juiz Mark Stoltz durante uma audiência que precedeu a liberação de Woodard.

Ele foi condenado à prisão perpétua em julho de 1981 pelo assassinato de uma mulher de 21 anos cujo corpo foi encontrado em Dallas com sinais de violência sexual e estrangulamento.

Woodard foi condenado com base em depoimentos de duas testemunhas. Uma delas acabou voltando atrás sobre o que havia dito no interrogatório.

Durante todo o tempo em que ficou preso, Woodard insistiu na sua inocência e pediu a realização de exames de DNA.

Fonte: AP