A polícia iraniana libertou dois convertidos ao cristianismo, detidos sob acusações de apostasia (abandonar o islamismo).

A libertação se deu uma semana depois de o governo iraniano decidir, em maioria de votos, pela criação de uma lei que introduza a pena de morte a quem abandonar o islamismo.

Mahmoud Mohammed Matin-Azad, 53, e Arash Ahmad-Ali Basirat, 40, foram detidos em maio por terem abraçado a fé cristã.

Andy Dipper, diretor do grupo Release International, que monitora a liberdade religiosa, comentou a boa notícia com palavras cautelosas.

“Estamos encantados com o fato de o Irã ter retirado as acusações contra esses homens. No entanto, há provas de que as coisas ficarão cada vez pior para outros iranianos que buscam liberdade de mudar de religião” – disse Andy.

A libertação deles se deu uma semana após a União Européia emitir uma declaração que exigia que o presidente iraniano reconsiderasse o debate sobre a lei que prevê pena de morte para a apostasia. A declaração também exigia a liberdade de pessoas presas com base em sua filiação religiosa.

Fonte: Portas Abertas