Uma jovem cristão foi supostamente seqüestrada sequestrada após sair da reunião de sua igreja. Aprilia Dyah Kusumaningruom desapareceu na noite de quinta-feira, após estar sairndo de um culto em Situbondo, na Indonésia. A garota de 22 anos foi vista pela última vez em cima de sua bicicleta, voltando para seu dormitório.

Quem a encontrou foi Esther Lomboan, esposa do ex-professor de seminário de Aprilia, onde ela se formou, em Magelang. Esther a encontrou na sexta-feira àa noite em Yogyakarta.

“Quando percebi que ela tinha cortes e hematomas por todo seu corpo, era óbvio que ela tinha sido torturada por seus seqüestradoressequestradores”, disse Esther. Ela disse que, de acordo com as lembranças de Aprilia, três homens vestidos de branco e lenços na cabeça em um carro se aproximaram dela em um carro, e, como ela estava de bicicleta, perguntaram a ela qual a sua religião. Quando Aprilia disse que era cristã, o homem a puxou para dentro do carro.

Dentro do carro, Aprilia ainda conseguiu enviar uma mensagem de texto para sua mãe e duas amigas de dormitório avisando que tinha sido raptada. Os amigos foram ao local do incidente e encontraram a bicicleta de Aprilia abandonada no meio da estrada.

Esther disse que Aprilia afirmou que ela havia sido amarrada e vendada dentro do carro, e, então, levada para uma casa vazia. Na casa, ela diz que foi espancada e cortada várias vezes, antes de ser jogada no meio de um milharal.

Aprilia ainda disse a Esther que ela acordou nua e ferida na sexta-feira àa tarde, a cerca de 320 quilômetros de Situbondo. Ela foi ajudada por agricultores da região e conseguiu pegar o ônibus no terminal.

“Ela estava em estado de choque e com cortes estranhos por todo o corpo, como se alguém a tivesse a cortado com uma navalha”, disse Esther.

No entanto, o comandante Sunarto, chefe da polícia de Situbondo, disse que está com dificuldade em lidar com o caso de Aprilia, pois acha a história mal contada. “Como ela foi capaz de mandar mensagem de texto para sua mãe e amigos depois que ela foi sequüestrada? Como ela fez isso? Por que os seqüestradores sequestradores permitiriam isso?”

Ele acrescentou que não parecia haver nenhum motivo para seqüestrásequestrá-la, uma vez que nenhum pedido de resgate foi feito. A polícia tentou falar com Aprilia, mas sua mãe não autorizou, dizendo que ela ainda está muito abalada ainda.

“A polícia de Situbondo claramente acha que ela é uma mentirosa. Nós temos todas as evidências de que precisamos para provar que não é mentira”, disse Esther.

[b]Fonte: Missão Portas Abertas[/b]