Um juiz haitiano ordenou nesta segunda-feira a libertação da missionária americana Laura Silsby, acusada de tentar tirar 33 crianças ilegalmente do país depois do terremoto que devastou a capital Porto Príncipe no dia 12 de janeiro, informou o advogado da mulher à Agência Efe.

O advogado haitiano de Laura, Aviol Fleurant, disse à Efe por telefone que a ordem foi emitida pelo juiz Bernard Saint Vil, apesar de a Promotoria ter solicitado uma pena de seis meses de prisão para a americana.

Não foi esclarecido se Laura já deixou o Haiti, embora alguns meios de comunicação tenham assegurado que a missionária viajou hoje mesmo de volta aos Estados Unidos.

A americana é considerada responsável por um grupo de dez missionários dos EUA que supostamente tentaram levar 33 crianças à República Dominicana depois do violento terremoto de magnitude 7 na escala Richter no Haiti, em janeiro.

O grupo de missionários foi detido no final de janeiro, quando iam para a República Dominicana em um ônibus com os menores, de entre dois e 12 anos, para, supostamente, oferecer-lhes uma vida melhor longe do caos do país depois do terremoto. Posteriormente, um juiz decretou a liberdade dos nove acusados.

Fonte: EFE