A Justiça francesa ordenou a retirada de um monumento em homenagem ao papa João Paulo 2º instalado em uma praça pública de uma pequena cidade do oeste do país.

O tribunal avaliou que a obra contraria a lei sobre a laicidade, que determina a separação entre a religião e os espaços públicos na França.

[img align=left width=300]http://www.portugues.rfi.fr/sites/portugues.filesrfi/imagecache/rfi_43_large/sites/images.rfi.fr/files/aef_image/joao.jpg[/img]A obra, composta por uma estátua de bronze do papa cercado por um arco e uma cruz de 8 metros, está exposta desde 2006 na cidade de Ploërmel, na região da Bretanha. A praça na qual o monumento é exibido ganhou o nome de São João Paulo 2º, depois que o pontífice foi canonizado.

O tribunal administrativo de Rennes determinou que o monumento, “pela sua disposição e suas dimensões, apresenta um caráter ostentatório” que fere a Constituição francesa. Para a Justiça, o problema é a existência da cruz, “símbolo da religião cristã”, e não a estátua do papa em si. A decisão judicial ressalta o caráter laico da República francesa e lembra a lei de 1905, que instituiu a separação entre o Estado e aIgreja.

“Este julgamento implica, necessariamente, que o monumento, tal como ele está instalado, seja retirado do seu local atual”, afirma a decisão, que deve ser cumprida nos próximos seis meses pela prefeitura.

[b]Polêmica antiga[/b]

A obra foi um presente dado à cidade pelo artista russo Zurab Tseretli. Desde que foi instalado, o monumento causa polêmica. Em 2010, defensores da laicidade criticaram o uso de recursos públicos para financiar o pedestal que sustenta a escultura, no qual está escrita a frase “Não tenham medo”, dita por João Paulo 2º. Os opositores também não aceitaram o gasto de € 30 mil (R$ 103 mil) com a cerimônia de inauguração da obra.

A Federação do Pensamento Livre, autora do processo para pedir a retirada do monumento, comemorou a decisão, considerada “uma nova vitória”. No ano passado, a associação conseguiu a remoção de vários presépios colocados em instituições públicas na época do Natal.

[b]Fonte: RFI[/b]