Os dois padres católicos seqüestrados no dia 13 na periferia da cidade iraquiana de Mossul (norte) foram libertados, anunciou neste domingo a agência missionária vaticana “AsiaNews”.

Os religiosos, Pius Afas, de 60 anos, e Mazen Ishoa, de 35, estão “em boas condições de saúde, levando-se em conta o que passaram nos últimos dias”, afirma a “AsiaNews”.

“Os católicos em Mossul descreveram o fato como um milagre, já que na sexta-feira e no sábado foi impossível manter contato com os seqüestradores, que não atenderam às ligações para os telefones celulares usados nos últimos dias, todos eles desligados”, acrescenta a agência missionária.

Os dois padres foram seqüestrados quando chegavam para celebrar uma missa na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, na periferia de Mossul.

Afas é professor de Sagradas Escrituras no seminário da cidade e durante muitos anos foi diretor da revista publicada em árabe “O pensamento cristão”. Ishoa, por sua vez, entrou há pouco no seminário após cumprir o serviço militar.

Dois dias depois do seqüestro, o arcebispo sírio-católico de Mossul, Basile Georges Casmoussa, revelou que os seqüestradores tinham pedido US$ 1 um milhão para libertar os dois sacerdotes.

Os seqüestros de padres são freqüentes no Iraque, mas todos foram libertados após alguns dias de cativeiro.

Fonte: EFE