O Papa Bento XVI revela suas discrepâncias com João Paulo II sobre o cantor americano Bob Dylan em um livro que será lançado na próxima semana sob o título “João Paulo II, meu amado predecessor”.

O atual Papa, então um dos colaboradores mais próximos e influentes de João Paulo II, conta que “estava e ainda está” em desacordo com o fato de que um personagem como o cantor de rock Bob Dylan se apresentasse para o Pontífice em um concerto organizado em 1997, à margem do congresso eucarístico italiano celebrado em Bolonha (norte).

O Papa polonês, que tinha 77 anos e já estava doente na época, não deu ouvidos aos conselhos do colaborador e amigo da Cúria Romana e assistiu ao show do ídolo de várias gerações desde os anos 1960.

O episódio é revelado pela primeira vez no livro de Joseph Ratzinger.

“Tínhamos razões para sermos céticos. Eu estava e de alguma forma continuo estando em desacordo”, escreveu Bento XVI.

“Tinha dúvidas sobre se era justo que este tipo de ‘profetas’ participasse de um evento maciço católico”, reforçou o Papa alemão, ex-prefeito da Vongregação para a Doutrina da Fé, o antigo Santo Ofício.

Bob Dylan foi convidado para o show junto com outros cantores e interpretou sua lendária canção “Blowin’ in the wind”.

Fonte: AFP