Na opinião do candidato do PDT ao governo do Rio, Carlos Lupi, o “processo eleitoral no Rio e no Brasil está sendo imposto pela mediocridade”.

Ele afirmou que a população tem visto os políticos com desconfiança, e com motivos, segundo ele. Indagado sobre como via o crescimento no número de candidatos pastores ou representantes da igreja evangélica, respondeu:

– É um retrocesso na sociedade, que pagou um preço alto para separar o Estado da igreja. É muito grave.

O pedetista destacou que há desigualdade quando o candidato do PRB, Marcelo Crivella, se utiliza dos templos da Igreja Universal para fazer campanha, e reclamou que nenhum dos templos chame os demais candidatos para debater os assuntos de interesse da população. Lupi fez uma comparação entre candidatos médicos e evangélicos, que levam vantagem, segundo ele, “por estar em contato com o cliente”.

– Repara só a quantidade de médicos candidatos. É que o custo é zero, eles todo dia estão em contato com cliente (para fazer política). Não estou condenando, apenas dando exemplo – explicou.

Carlos Lupi é o primeiro convidado na série de entrevistas no ‘Globo’ com os candidatos ao governo do Rio. O pedetista foi entrevistado por repórteres e editores de diferentes áreas do jornal. O candidato respondeu também a perguntas de internautas, selecionadas pelo GLOBO ONLINE.

Fonte: O Globo