Reunidos em Genebra de 21 a 24 de janeiro, representantes da Igreja Luterana – Sínodo de Missouri (ILSM) e da Federação Luterana Mundial (FLM) anunciaram a necessidade de estabelecer comunicações diretas entre as duas organizações para que possam beneficiar-se mutuamente de sua herança comum da Reforma.

“Apesar de em nossas reuniões e conversas verificarmos que existem suspeitas mútuas entre nossos respectivos corpos eclesiais e seus membros, temos muito em comum devido a nossa herança luterana comum,” comentou o diretor do Departamento de Missão e Desenvolvimento (DMD) da FLM, reverendo Kjell Nordstokke.

Em entrevista ao boletim Informação Luterana Mundial (LWI, a sigla em inglês), Nordstokke e o diretor executivo para a missão internacional da ILSM, reverendo David C. Birner, enfatizaram a necessidade de um maior diálogo entre os luteranos e a partilha de materiais e recursos relevantes “para poder discernir conjuntamente oportunidades para uma potencial cooperação em nível regional e local.”

Para Birner, a visita à FLM “ajudou-nos a afirmar os fios em comum de nossa identidade na Reforma e que essa identidade precisa ser constantemente reafirmada de múltiplas maneiras, incluindo o diálogo aberto entre nós e nossas igrejas parceiras.” Ele anotou que, “nossas discussões foram marcadas por uma transparência mútua, uma comunicação aberta, um espírito de colaboração e de informação aberta.”

As conversações incluíram reuniões entre os secretariados de área da FLM/DMD para a África, a Ásia, a Europa, a América Latina e o Caribe, e as contrapartes regionais da ILSM. Através de seus escritórios regionais e internacionais, a DMD assiste, coordena e acompanha as 140 igrejas membros da FLM, suas agências relacionadas e outros organismos, para desenvolver e sustentar ministérios holísticos que afirmam a participação da igreja na missão de Deus para toda a criação.

A ILSM, que tem sua sede em St. Louis, no Estado de Missouri, Estados Unidos, é a segunda agrupação luterana da América do Norte, congregando cerca de 2,5 milhões de membros. Ela mantém relações fraternas compartilhando altar e púlpito com 29 igrejas luteranas nos cinco continentes, exceto a Antártica, incluindo a 12 igrejas membros da FLM na África, Ásia e Europa.

As discussões em Genebra ressaltaram as áreas de trabalho em comum e de uma potencial colaboração, incluindo a resolução de conflitos nas igrejas. Nordstokke destacou que a gênese da reunião foi uma intervenção conjunta, em novembro de 2007, num processo para resolver um cisma de 20 anos no interior da Igreja Luterana nas Filipinas, uma igreja membro da FLM desde 1973. “O atual processo de reconciliação [na igreja] foi bastante fortalecido pela cooperação entre a FLM e a ILSM,” agregou.

Também há áreas para colaboração e iniciativas em comum na capacitação de leigos, bolsas de estudo, respostas das igrejas diante do HIV/Adis, combate da violência contra a mulher, e as relações das igrejas com o Islã, entre outros temas. “A reunião nos animou a ver luteranos unidos fazendo parte da solução para as grandes questões globais,” anotou Birner.

Nordstokke e Birner confirmaram ter tido discussões em grupo sobre as questões que deram lugar a tensas relações entre algumas das igrejas da ILSM e da FLM, especialmente quanto à ordenação de mulheres. Comunicaram que embora as duas organizações afirmem a inclusividade na vida da igreja, elas têm diferentes posições quanto ao papel da mulher na igreja.

Fonte: ALC