Mais de 900 mil cristãos foram martirizados nos últimos 10 anos, afirmou uma empresa de pesquisa cristã, afiliada ao Seminário Teológico Gordon-Conwell, em Massachusetts (EUA).

O Centro para o Estudo do Cristianismo Global de Gordon-Conwell divulgou recentemente seu relatório anual sobre a perseguição aos cristãos, que apontou que cerca de 90 mil cristãos foram assassinados por causa de sua fé no último ano.

[img align=left width=300]https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840×500/smart/media.guiame.com.br/archives/2017/01/17/4056765680-cristaos-coptas-estado-islamico.jpg[/img]Embora o estudo tenha sido divulgado este mês (janeiro), a descoberta de que 90.000 cristãos – ou um cristão a cada seis minutos – foram mortos em 2016 foi vazada por um proeminente sociólogo italiano chamado Massimo Introvigne, durante uma entrevista à Rádio Vaticano, em dezembro e o relatório recebeu muita atenção da mídia antes mesmo de ser lançado.

Embora a marca de 90.000 mártires cristãos possa parecer muito em um ano, a organização afirma que 90.000 cristãos morreram anualmente entre 2005 e 2015.

“Na última semana, várias organizações de notícias informaram sobre a perseguição de cristãos em todo o mundo e citou nossa figura de 90 mil mártires cristãos em 2016”, disse a organização em um e-mail para os apoiantes. “O Centro para o Estudo do Cristianismo Global fez uma extensa pesquisa sobre o martírio cristão, tanto histórico como contemporâneo, estimando que entre 2005 e 2015 houve 900.000 mártires cristãos em todo o mundo – uma média de 90.000 por ano”.

Aparentemente, 90.000 mártires cristãos por ano é uma estimativa muito liberal. De fato, a organização observa que apenas 30% dos 90.000 cristãos foram mortos por causa do terrorismo. 70% dos 90.000 cristãos foram realmente mortos em conflitos tribais na África, o que levanta a questão de saber se 70% dos 90.000 cristãos foram realmente mortos por causa de sua fé ou apenas vítimas de conflitos violentos”.

No e-mail, o centro explicou a definição de “mártir” que usou para seu estudo. Dois dos fatores de qualificação para o “mártir” é que os cristãos mortos devem ter estado em uma “situação de testemunho” e terem sido mortos “como resultado da hostilidade”.

“A ‘testemunha’ nessa definição não se restringe ao testemunho público sobre a crença em Jesus”, explica o e-mail. “Refere-se a todo o estilo de vida do indivíduo, independentemente de ele ter ativamente proclamado sua fé no momento da morte”.

O e-mail acrescenta que a definição “como resultado da hostilidade” toma “uma variedade de formas, incluindo guerras, conflitos, assassinato aleatórios e o genocídio, além de incluir atos de indivíduos ou grupos (como governos repressores)”.

Na semana passada, o grupo cristão Portas Abertas (EUA) lançou a atualização para 2017 de sua lista com os 50 países de maior perseguição religiosa.

De acordo com a Portas Abertas, a perseguição cristã em todo o mundo tem aumentado constantemente nos últimos três anos e 2016 foi “o pior ano de perseguição já registrado”.

O Centro para o Estudo do Cristianismo Global também descobriu que os cristãos são o grupo religioso mais perseguido em todo o mundo.

[b]Fonte: Guia-me[/b]