Prefeitura deu R$2,48 milhões para organização de evento que reuniu 300 mil pessoas no Rio de Janeiro, neste sábado. O pastor Silas Malafaia (foto) disse que devolverá R$ 410 mil.

O discurso de abertura do evento evangélico Marcha para Jesus, que aconteceu na tarde deste sábado no Centro, começou com uma prestação de contas.

O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, anunciou a devolução de R$ 410 mil do total de R$ 2,48 milhões recebidos da Prefeitura do Rio para organização do evento.

[b]Patrocínio para montagem de palco e decoração
[/b]
Segundo o Diário Oficial do município, o valor dado pela Prefeitura do Rio, por meio da Riotur, destinou-se a cobertura de gastos, com montagem de palco, sistema de som e decoração.

— Pela primeira vez tivemos o apoio da prefeitura na organização, mas comunico que devolvo parte do dinheiro que a prefeitura nos deu para organizar. O povo de Deus é correto — disse ao lado do prefeito Eduardo Paes e do senador Lindberg Faria para quem pediu orações aos mais de 300 mil fiéis que participaram da celebração.

[url=https://folhagospel.com/modules/xoopspoll/index.php?poll_id=102]ENQUETE: Você concorda que a Marcha para Jesus seja financiada com dinheiro público? Deixe seu comentário.[/url]

Após a declaração, o pastor explicou que não utilizou o dinheiro total porque o evento também teve apoio da Associação Vitória em Cristo. E que só utilizou o adiantamento, que corresponde a 80% do montante, o restante não chegou a ser retirado com o município.

— Quero ver parada gay devolver algum dinheiro de evento? — ironizou Malafaia.

[b]Críticas ao projeto que criminaliza homofobia
[/b]
Ao longo da marcha várias faixas faziam referência a PL 122 (projeto de lei que criminaliza a homofobia) e a pediam liberdade de expressão.
— Nós, evangélicos, podemos criticar a conduta dos homossexuais, porque a constituição garante liberdade de expressão. Não discriminamos os homossexuais, mas condenamos o homossexualismo — enfatizou o pastor.

Questionado sobre as faixa dos evangélicos contra a PL 122 (projeto de lei que criminaliza a homofobia)o prefeito Eduardo Paes apenas comentou condenando atitudes preconceituosas.

— Acho que o papel da prefeitura é apoiar todos eventos, manifestação católica ou parada gay. Sou contra qualquer tipo de descriminação, qualquer tipo de preconceito. Tenho amigos gays — comentou.

O sábado amanheceu com cara de segunda-feira. A interdição das vias para o Centro para caminhada deixou a Avenida Presidente Vargas bastante engarrafada no início da manhã. A via teve a pista lateral interditada a partir das 4h, na altura da Praça da República, no sentido Candelária. A Marcha para Jesus teve início às 14h, quando sete trios elétricos partiram da Central do Brasil em direção à Cinelândia.

[b]Fonte: O Globo[/b]