Meryl Streep afirmou que é errado mulheres não terem direito ao voto no Vaticano, alegando que a igreja católica é um órgão que exclui as mulheres

[img align=left width=300]http://i0.statig.com.br/bancodeimagens/ej/gk/if/ejgkifkuoao80vpn4xkzrqt8g.jpg[/img]Estrela do filme “Suffragette”, Meryl Streep defendeu mais espaço para mulheres na sociedade e criticou, principalmente, a Igreja Católica em um encontro com jornalistas na quarta-feira (7), durante a abertura da 59ª edição do Festival de Cinema de Londres.

[b]Direito ao voto
[/b]
Baseado em fatos reais, o longa-metragem retrata um grupo de mulheres que luta pelo direito ao voto na Inglaterra, no início do século 20, e a atriz, de 66 anos, que interpreta Emmeline Pankhurst – ativista política e líder do movimento pelo sufrágio feminino britânico – reconheceu que o sexismo continua fazendo parte do mundo moderno.

‘Há dois lugares que as mulheres não podem votar no mundo: na Arábia Saudita, embora eles estejam registrando as mulheres agora, aparentemente, e no Vaticano. Isso parece errado para mim”, contestou a estrela de Hollywood.

Na ocasião, Meryl também deu exemplos atuais de sexismo que a deixam furiosa. “A falta de inclusão de mulheres em órgãos de tomada de decisão em todo país no mundo me deixa furiosa, seja com os refugiados ou a Igreja… Quero dizer, a igreja católica é um órgão que exclui as mulheres”, acrescentou.

[b]Maioria de críticos homens
[/b]
Defendendo o direito à igualdade na indústria cinematográfica, a atriz atacou o número predominante de homens dentre os críticos de filmes nos Estados Unidos.

“Fui a fundo no ‘Rotten Tomatoes’ e contei quantos contribuidores existiam, entre críticos, blogueiros e escritores. E, entre aqueles que têm a permissão para avaliar no Tomatometer, há 168 mulheres. Pensei: ‘Isso é fantástico. Se houvesse 168 homens, estaria balanceado. Se fossem 268 homens, seria injusto, mas me acostumaria a isso. Se houvesse 368, 468, 568… Mas, de fato, são 760 homens que pesam no Tomatometer”, explica ela, sobre o desequilíbrio.

[b]”É enfurecedor”
[/b]
Streep constatou ainda que há 37 homens e apenas duas mulheres no New York Film Critics Circle.

“A palavra não é ‘decepcionante’, é ‘enfurecedor’… Porque não é justo. Precisamos de inclusão, tem que ser igual. Homens e mulheres não são os mesmos. Eles gostam de coisas diferentes. Às vezes, gostam das mesmas coisas, mas seus gostos divergem. Se o Tomatometer está completamente voltado a um grupo de gostos masculinos, isso comanda as bilheterias nos Estados Unidos, absolutamente”, critica

Com direção de Sarah Gavron, “Suffragette” ainda conta com as atrizes Carey Mulligan, Helena Bonham Carter e Anne-Marie Duff no elenco. O filme estreia no Reino Unido no próximo dia 12 de outubro. Ainda não há previsão de lançamento no Brasil.

[b]Fonte: iG[/b]