Uma grande organização missionária na Rússia demonstrou preocupações na quarta-feira, 31 de outubro, concernente à segurança dos seus estudantes, depois que uma explosão atingiu um ônibus que levava estudantes e residentes locais aos seus locais de trabalho, na cidade de Togliatti, no centro da Rússia, matando pelo menos seis pessoas.

Dezenas de pessoas também foram feridas na poderosa explosão, que tem por suspeitos militantes islâmicos, disseram ministros russos à BosNewsLife.

O ataque em Togliatti, cerca de 1000 quilômetros ao sul de Moscou, aconteceu durante o horário de pico.

“Autoridades disseram que a explosão foi causada por 2kg de explosivos os quais podem ter sido levados para o ônibus por um passageiro, escondido no piso do ônibus, ou deixado no caminho do ônibus, ministros russos”, disseram à BosNewsLife.

A organização patrocina o programa de treinamento “Escola sem fronteiras” para 20 potenciais líderes cristãos em Togliatti.

Ainda não se sabe com certeza se algum deles estava entre as vítimas, de qualquer modo o grupo disse que vale ressaltar que são intensas as dificuldades que os trabalhadores cristãos encontram nas regiões russas tomadas pela violência.

O grupo disse que anseia por apoio para “orar pelas famílias das vítimas e pelos residentes de Togliatti que foram afetados por este ataque violento”, assim como pela segurança dos estudantes matriculados no programa “Escola sem fronteiras”.

Ato de terrorismo

O governador da região Samara, Vladimir Artyakov, disse que sua administração “chegou à conclusão de que isso foi um ato de terrorismo”.

Essa bomba veio um mês antes das eleições parlamentares, as quais seguem um padrão similar de pré-eleição de acordo com a violência nas demais regiões, disse o ministro russo.

Foram citadas fontes seguras que dizem que o ataque “foi feito por extremistas islâmicos”, embora “outros sugiram que grupos de crimes organizados possam estar por trás da explosão”.

A organização disse que embora esse seja o primeiro “ataque do tipo na cidade de Togliatti” ataques assim “são muito comuns na região norte do Cáucaso, onde violência insurgente é ocorrência regular”.

Uma explosão de ônibus similar ocorreu na província do Daguestão em 23 de outubro, matando uma pessoa e ferindo cinco.

A violência vem em um momento difícil para ministros russos, aos quais vêm tentando treinar líderes cristãos especialmente em áreas da ex-União Soviética, onde os crentes são perseguidos por causa do extremismo islâmico ou líderes autocráticos.

Fonte: Portas Abertas