O Comitê de Segurança Nacional do Cazaquistão, situado na Ásia Central, quer modificar ainda este ano, a lei sobre a liberdade religiosa. As comunidades religiosas estão preocupadas, pois temem que tais mudanças possam prejudicar os fiéis.

Os protestantes temem possíveis restrições sobre as atividades missionárias. Em 2005, o governo limitou a liberdade religiosa no país, tornando obrigatório o registro e a aprovação estadual para qualquer atividade e material religioso, com a intenção de tutelar a segurança nacional e combater o fundamentalismo. Mas a lei não esclarece o que seja fundamentalismo e segurança nacional, por isso existe o perigo que esta seja utilizada para atingir os grupos religiosos.

Os cristãos da Igreja Batista estão esperando há mais de um ano para serem registrados pelo governo e enquanto isso os fiéis recebem multas que variam de 80 a 125 euros, por atividades religiosas ilegais, pois não foram autorizados pelo governo. O salário mínimo no Cazaquistão é de cerca 200 euros.

As pessoas que se convertem ao cristianismo encontram muitas dificuldades, seja por parte dos parentes, ou dos funcionários públicos. O Cazaquistão tem uma população de 14 milhões e 290 mil habitantes, com 42,7% de muçulmanos, 16% de cristãos e cerca de 200 mil católicos. No geral, o Islã no Cazaquistão é moderado, porém os fundamentalistas provenientes do Afeganistão, Paquistão e Uzbequistão, exercem uma certa influência no país.

Fonte: Portas Abertas