O Reino Unido está se tornando cada vez mais uma sociedade secular, o que está reduzindo drasticamente o número de pessoas interessadas em se dedicar à vida monástica.

Na esperança de conquistar alguns candidatos para a vida religiosa, vários mosteiros e conventos estão oferecendo fins de semana para as pessoas experimentarem a rotina de um monge ou freira.

Com pouco mais do que um crucifixo e uma Bíblia ao lado da cama, os quartos de hóspedes no mosteiro Worth Abbey têm o objetivo de recriar os quartos dos monges.

“Eles têm uma cama confortável, que eles vão aproveitar durante a noite”, diz o coordenador de fim-de-semana Luke Jolly. “Às 6h20 da manhã é a nossa primeira oração monástica.”

É a primeira de cinco orações das quais os visitantes são requisitados a participar todos os dias na moderna igreja circular, com o interior iluminado por luz natural que entra pelo teto de vidro da igreja.

O almoço é farto, com lasanha, sopa de tomate, queijo e saladas.

Não é permitido conversar durante as refeições. Em vez disto, os monges ouvem uma leitura– neste sábado é um trecho da biografia do arcebispo de Canterbury.

Mas existe bastante tempo para conversar após a refeição, durante o café e os chocolates ou durante uma caminhada.

Mudança de estilo de vida

O chamado “Fim-de-semana de Teste Monástico” é criado para homens que querem experimentar se uma vida de obediência, estabilidade, pobreza e castidade foi feita para eles.

Além disso, jovens –tanto homens como mulheres– podem participar do Compass Project –uma série de nove fins de semana.

Nenhum dos eventos exige pagamento aos candidatos, mas doações de até 70 libras (cerca de R$ 235) são aceitas.

Worth Abbey é um de vários mosteiros e conventos que decidiram combater a queda de integrantes promovendo seu estilo de vida –na imprensa religiosa, na Internet ou mesmo em revistas de aviões– e convidando potenciais recrutas para experimentar a vida monástica.

Em 1982 havia 217 noviços na Igreja Católica na Inglaterra e no País de Gales, mas em 2007 o número tinha caído para 29.

“O Reino Unido está se tornando realmente uma sociedade secular (…) nós anunciamos porque estamos cientes de que existem muitas opções sendo oferecidas, principalmente aos jovens”, explica Luke. “E a voz de Deus pode acabar sendo abafada. Então estamos colocando esta opção diante deles.”

Orações “entediantes”

Uma das visitantes de fim-de-semana, Lisa Paget, é católica convertida. Com seus cabelos pintados e piercing no rosto ela talvez pareça uma candidata não muito convencional para a vida em um convento.

Ela até passou alguns anos sendo atéia, praticou superficialmente o hinduísmo e ficou noiva.

“Quando comecei vindo nos fins-de-semana”, ri Paget, “os serviços pareciam extremamente entediantes e eu não via a hora de eles terminarem!”

“Porém, o tempo foi passando e eu realmente entrei no ritmo das orações de da ideia de dedicar tempo, que é um presente de Deus.”
“Eu me deparei com várias encruzilhadas durante minha vida”, acrescenta ela, “e decidi que precisava explorar o lugar para onde Deus estava me chamando. E vir aqui realmente me faz pensar em me tornar uma freira.”

Com a crise financeira e o crescente desemprego, Luke se pergunta se o mosteiro não vai passar a receber mais interessados na vida religiosa.

“Acho que as pessoas vão procurar uma vida que é diferente daquela que o mundo ofereceu até agora.”

Os monges acreditam que se conseguirem convencer os candidatos de fim-de-semana a permanecerem no mosteiro eles vão ajudar a evitar a extinção de uma tradição de 1.500 anos.

Fonte: Folha Online