O promotor do Ministério Público Estadual Marcelo Mendroni conseguiu autorização da Justiça para que fossem cumpridos na tarde desta quarta-feira (10) mandados de constatação, busca e apreensão em três entidades assistenciais mantidas pela Igreja Apostólica Renascer em Cristo.

Acompanhados por oficiais de Justiça e por uma equipe do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE), integrantes do Ministério Público visitaram o Núcleo Assistencial Heliópolis, na Zona Sul da Capital, a Casa Lar Abrigo de Franco da Rocha, na Grande São Paulo, e o Centro de Recuperação, em Santana do Parnaíba, também na Grande São Paulo.

“Queríamos constatar se as entidades realmente estavam cumprindo com as suas funções, e se eventualmente encontrássemos documentos relevantes eles pudessem ser apreendidos”, afirmou o promotor, que não participou das vistorias.

De acordo com Mendroni, foram apreendidos alguns documentos que deverão ser encaminhados à Justiça “o quanto antes” e deverão fazer parte de processo que apura crime de lavagem de dinheiro contra os fundadores da igreja, Estevam e Sônia Hernandes.

No final da noite, a assessoria da Renascer confirmou as visitas às unidades sociais, mas informou que foi usada “violência desnecessária” durante a ação. Eles consideraram “abusiva a utilização de metralhadoras em orfanatos”, e disseram que o uso de armas constrangeu “até mesmo os policiais recrutados para a operação”. Para a igreja, o cumprimento dos mandados não passou de “uma ação chefiada pelo promotor Marcelo Mendroni”.

Ainda segundo a assessoria, a renascer irá entrar com processo contra o promotor ainda nesta semana.

Resposta do promotor

Sobre as afirmações da Renascer, o promotor Mendroni afirmou que “a execução de uma operação é uma coisa que diz respeito exclusivamente à polícia”. ‘Eu digo a eles o que eu preciso, e eles fazem da forma que acham preciso. Eu não sei como eles foram (ao local). Só pedi o Goe porque é um grupo treinado para esse tipo de situação”, afirmou.

Sobre a abertura de um processo contra ele, Mendroni disse que não tem nada para falar sobre o assunto porque “cumpro os exercícios das minhas funções”.

Investigação bancária

Na sexta-feira (5), o MP-SP informou que iria abrir nova investigação contra Estevam Hernandes e Sônia Hernandes. Os promotores acreditam que informações bancárias deles nos Estados Unidos poderão ajudar a provar que o casal usava a igreja para lavagem de dinheiro.

A Justiça americana mandou ao Brasil extratos que mostram a movimentação bancária da família Hernandes em uma agência do Wachovia Bank, em Boca Raton, Miami. Na cidade, o casal tem uma casa em um condomínio de luxo. Pela conta passaram quase US$ 2 milhões em seis anos.

O casal foi preso em janeiro quando tentava entrar nos Estados Unidos com US$ 56 mil não declarados. Em nota, a Igreja Renascer negou as acusações da promotoria.

Fonte: G1