Grupo de direitos humanos tarja os responsáveis pelo material como “grupo de ódio”.

Uma igreja evangélica de Roanoke, estado da Virgínia (EUA), causou bastante controvérsia ao distribuir impressos que criam um estereótipo claramente negativo contra muçulmanos, por meio de um discurso fundamentalista cristão que determina que os islâmicos estão indo para o inferno.

Ao explicar o que viu, em uma entrevista para a imprensa local, o muçulmano Hussain Al-Shiblawi conta que o impresso intitulado de “Imperdoável?” sugere que os seguidores do Islã são violentos e estão condenados. “Basicamente indica que as pessoas são violentas, a própria religião é violenta e os fatos não são verdadeiros”, resume.

O impresso da Igreja Batista de Roanoke traz uma história em quadrinhos, onde um homem abraça sua crença islâmica e sua avó cristã tenta provar que o cristianismo é o único caminho. A avó não consegue impor suas ideias e o homem é condenado ao inferno. A última página traz uma mensagem sobre aceitar Jesus Cristo e a Bíblia.

O material promocional é produzido pela Chick Publications, ministério cristão de cerca de cinquenta anos, fundado pelo quadrinista e editor Jack Thomas Chick, que lida com outros temas além do Islã em seus impressos.

As curtas publicações já são conhecidas como “os folhetos de Chick”, sempre questionadas pelas polêmicas. A editora resiste à controvérsia sobre o conteúdo de seus textos, incluindo a forma como retratam outras seitas cristãs como o catolicismo romano.

O órgão de direitos humanos Southern Poverty Law Center (SPUC) listou a editora como um “grupo de ódio”, lembrando que, além de muçulmanos, a Chick Publications se dedica a investir em uma guerra contra gays, mórmons e ateus.

O pastor da Igreja Batista da Bíblia local relatou que está disposta a conversar com Al-Shiblawi para esclarecer o que fez ele se se sentir mal. Já a Igreja Batista de Roanoke, responsável pelo impresso, não quis se pronunciar a respeito do assunto.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]