Dezenas de manifestantes protestaram nesta sexta-feira contra o fato da pesquisadora norte-americana Amina Wadud ter conduzido uma cerimônia religiosa muçulmana com a presença de homens e mulheres em Oxford, na Grã-Bretanha.

Para os mais tradicionais, Amina não poderia ter comandado a prece, pois havia homens e mulheres presentes. Nesse caso, os muçulmanos afirmam que apenas homens podem conduzir uma cerimônia religiosa. A prece ocorreu antes de uma conferência da universidade sobre mulheres no islamismo.

“Nós acreditamos que as mulheres são iguais no Islã”, afirmou Taj Hargey, presidente do Centro de Educação Muçulmana em Oxford. O grupo organizou o evento. Amina, uma pesquisadora de Berkley e autora de livros, já recebeu ameaças de morte por conduzir uma cerimônia similar em uma igreja de Nova York, três anos atrás.

Fonte: Jornal de Piracicaba