O tribunal da cidade de Nicósia, capital do Chipre, condenou a 20 dias de prisão por bruxaria e estelionato uma senhora que havia tentado extorquir 5 mil libras cipriotas (8,6 mil euros) de um homem após convencê-lo de que havia retirado dele um mau-olhado com um ritual “mágico”.

A imprensa cipriota deu na sexta (7) grande destaque ao caso relatando que Haryie Rezvanoglou, uma senhora de 69 anos, havia convencido Thanos Savvides, de 34, de ter sido vítima de mau-olhado e que ela era capaz de libertá-lo deste mal.

Após uma primeira “consulta”, Saavvides – como contou ao juiz – deu, a pedido de Haryie, uma cueca, um ovo, alguns pelos pubianos próprios, uma colher e um prego para que fosse realizada a cerimônia para tirar o mau-olhado.

Pela “trabalho mágico” Saavvides pagou 500 libras cipriotas (860 euros), no entanto, a “bruxa” lhe pediu logo depois mais 5 mil libras cipriotas, “caso contrário estaria morto no sono dentro de 22 dias”.

Naquele ponto Savvides finalmente entendeu que havia sido enganado e se dirigiu à polícia para denunciar a Haryie por tentativa de extorsão.

O juiz condenou a Haryie a 20 dias de prisão, por ter “obviamente se aproveitado das condições psicológicas do requerente”, e a restituir as 500 libras cipriotas do estelionato.

Mesmo após três anos fazendo parte da União Européia, Chipre continua a perseguir e reconhecer na lei as atividades dos “bruxos” que compreendem, entre outros, os cartomantes e quiromantes.

Fonte: Jornal da Mídia