Uma canadense foi condenada hoje a três anos e meio de prisão na Tailândia pela morte de seu companheiro, um americano que alegava ser a reencarnação de Jesus Cristo. Ele enfrentava diversas acusações por fraude no Havaí, segundo a Reuters.

Margaret Crane, 50 anos, matou Patrick Dubie, 56 anos, após uma discussão em um restaurante na cidade de Chiang Mai, em 2006. Thanakorn Pusayapaiboon, o juiz responsável pelo caso, afirmou que a confissão da ré ajudou a reduzir sua pena.

Ao ser presa, Margaret disse à polícia que Dubie, que entre outras coisas afirmava ser correspondente da CNN e ter trabalhado para as Nações Unidas no rescaldo do tsunami de 2004, tinha ultrapassado os limites, atingindo ela e os filhos.

O relacionamento do casal teria piorado depois que Dubie se envolveu com uma tailandesa, segundo noticiaram jornais locais.

Margaret admitiu ter matado o companheiro com a arma dele, pega durante a briga. Ela não disse quantos tiros disparou, mas a polícia encontrou apenas uma bala no corpo da vítima.

Ela disse que havia ido procurar Dubie para pedir-lhe dinheiro que havia prometido para ela e os seis filhos durante a estadia na Tailândia. Ele teria a insultado e afirmado que a filha mais nova não era dele.

Embora os dois nunca tenham se casado legalmente, Margaret viajou com ele pelo Canadá, Havaí e Tailândia durante 28 anos e foi chamada pelos jornais canadenses de a sua “mais fiel discípula”.

Dan McLaughlin, agente do FBI que investigou Dubie no Havaí afirma que ele era um fraudador clássico, “capaz de capturar as mentes das pessoas que não eram fortes como ele”. Ele fazia com que seus “discípulos” acreditassem que era a reencarnação de Jesus Cristo e com isso lhes entregassem suas economias.

Fonte: Terra