Cristãos na Índia
Cristãos na Índia

Cinco mulheres que trabalhavam para um grupo missionário cristão foram seqüestradas e estupradas por homens que filmaram o crime, informou a polícia no leste da Índia nesta sexta-feira.

A agência de notícias AFP informou que as mulheres estavam realizando uma peça com o objetivo de aumentar a conscientização sobre o tráfico de pessoas no distrito de Khunti, no estado de Jharkhand, quando foram sequestradas por assaltantes não identificados.

O policial Rajesh Prasad disse que as mulheres trabalhavam para a organização não-governamental Asha Kiran, que é apoiada por um grupo missionário cristão local.

Prasad explicou que a polícia está questionando várias pessoas, incluindo os defensores do movimento anti-establishment Pathalgadi.

AV Homkar, outro policial, disse a  Niraj Sinha , da BBC Hind, que as mulheres se dirigiram a uma escola missionária local depois de realizar sua peça sobre tráfico humano.

Ao mesmo tempo, algumas pessoas armadas chegaram à escola. Eles sequestraram cinco meninas de sua equipe e as levaram para uma selva e as estupraram. Dedicamos três equipes de policiais para interrogar várias pessoas ”, disse Homkar.

As autoridades indicaram que os agressores poderiam pertencer a um grupo que é altamente hostil aos “forasteiros”, embora as nacionalidades das vítimas ainda não tenham sido reveladas.

“Ainda estamos processando o que aconteceu”, disse Rajiv Ranjan Sinha, da Rede Jharkhand Anti-Tráfico.

“Esta é a primeira vez que os trabalhadores de campo são alvos e surpreendente e chocante. Agora, será mais difícil trabalhar com essa questão ”, acrescentou ele.

Cerca de 40.000 casos de estupro foram registrados na Índia em 2016, muitos deles envolvendo garotas jovens, o que provocou indignação pública e demandas para que a polícia faça mais para proteger mulheres e crianças dos agressores.

Cristãos, incluindo muitas mulheres, foram submetidos a assaltos terríveis em locais rurais na Índia devido à sua fé.

No início desta semana, uma estudante de 22 anos da escola bíblica, revelou como ela e sua mãe foram perseguidas, arrastadas e espancadas por radicais hindus em sua aldeia natal, sendo informadas de que, por serem cristã, não são mais bem-vindas.

A mulher, identificada como Bahia, em um artigo da Portas Abertas dos EUA , disse que os radicais hindus ‘ameaçaram estuprar ou me matar’ se ela voltasse para casa.

“A situação na aldeia ainda não foi resolvida. Eu quero passar mais tempo aprendendo sobre Deus para que um dia eu possa voltar com o Evangelho. Essa é a promessa que fiz para minha mãe ”, disse Bahia.

‘É meu profundo desejo de compartilhar a palavra de Deus. Eu quero dizer a todos que Jesus não morreu apenas por estrangeiros. Ele morreu por todos. Essa é a minha mensagem para as pessoas da minha aldeia, para as pessoas na Índia e para as pessoas fora do nosso país ”.

Fonte: The Christian Times