O candidato a prefeito do Rio de Janeiro Fernando Gabeira (PV) fez na noite desta quarta-feira um movimento político em direção aos fiéis de diferentes religiões. O candidato assistiu em uma sinagoga à celebração do Yom Kippur (Dia do Perdão judaico). Na saída, ao ser perguntado sobre uma eventual aliança com o ex-adversário Marcelo Crivella, disse ter “simpatia” pelos evangélicos

“Eu tenho muita simpatia pelo avanço dos evangélicos em alguns lugares do mundo, como Estados Unidos e Brasil, ocupando postos importantes. Eu sou independente e posso dar a todas as religiões o tratamento e o respeito que merecem”, disse.

Gabeira também rejeitou a comparação feita mais cedo entre ele e o ex-prefeito Saturnino Braga (PT) pelo adversário de segundo turno Eduardo Paes (PMDB). O candidato do PMDB citou Braga como um exemplo de administrador honesto e bem intencionado que, por incompetência, levou a cidade à falência –insinuando que Gabeira teria o mesmo perfil.

“Os problemas centrais do Saturnino foram a visão muito generosa com o aumento do funcionalismo no princípio do mandato e uma equipe totalmente diferente da que eu vou montar. Essa presunção [de Paes] é totalmente equivocada. Estamos com uma equipe técnica de alto nível, temos o [ex-presidente do Banco Central] Armínio Fraga e um grupo de economistas prontos a nos ajudar”, disse Gabeira.

“Ontem me compraram com o Collor, hoje com o Saturnino, amanhã talvez me comparem com o Bin Laden. Não consigo conter a imaginação dele”, afirmou Gabeira.

O candidato citou o Dia do Perdão como um período de renovação e disse que foi à sinagoga refletir sobre “a mudança e o novo”. “É um novo momento que simbolicamente se inaugura aqui [no Rio] e um novo momento também no olhar e na esperança das pessoas”, disse.

Fonte: Folha Online