A ofensiva contra os cristãos continua no Iraque. Ontem pela manhã oito pessoas, entre alunos e professores de um seminário da vila de Qaraqosh, na planície de Nínive, foram seqüestradas na estrada para Mosul.

A violência contra a minúscula comunidade religiosa cristã não se restringe a seqüestros e raptos. Na terça-feira, em Mosul, dois cristãos foram mortos no mesmo local em que o padre caldeu Ragheed Ganni e três dos seus diáconos foram massacrados.

“Escolhidos”

Um grupo formado por 50 estudantes de um seminário voltava para casa, no caminho para Mosul. Era cedo de manhã porque os alunos tinham exames para a universidade.

O microônibus em que eles estavam foi parado por uma caravana de carros de extremistas islâmicos. Os terroristas leram uma lista de nomes e ordenou que aquelas pessoas os seguissem.

No início, ninguém respondeu à convocação, então os extremistas ameaçaram conferir as carteiras de identidade de cada um dos presentes.

De repente, eles avistaram três professores e cinco estudantes se afastando deles e os capturaram.

A polícia assistiu ao seqüestro sem fazer qualquer intervenção.

Na mesma cidade, de resistência sunita, um grupo não-identificado seqüestrou dois homens de origem batnaya e pediu resgate.

O patriarca caldeu Emmanuel III Delly fez um novo apelo para que “o mundo acorde para proteger os direitos do povo iraquiano, principalmente de cristãos e muçulmanos”.

Fonte: Portas Abertas