Os fiéis da Igreja Ortodoxa de Chipre foram às urnas, neste domingo, para eleger, pela primeira vez em 29 anos, seu novo líder, entre quatro candidatos, num país em que a instituição possui uma forte influência.

O vencedor das eleições _ cujo resultado será conhecido em novembro, devido à complexidade do sistema eleitoral _ será o segundo arcebispo, desde a morte de Makarios III, que conseguiu a independência da ilha e foi seu primeiro presidente, de 1960 até sua morte, em 1977.

Seu sucessor, o arcebispo Crisóstomos, precisou abandonar o cargo, em maio passado, porque sofre de Alzheimer.

A Igreja Ortodoxa de Chipre também é um dos grandes proprietários de terras da ilha, com aplicações nos bancos, produção de bebidas, hotéis, minas e outros investimentos.

O presidente cipriota, Tassos Papadopulos, expressou sua esperança de que essa eleição contribua para restaurar a imagem da Igreja Ortodoxa, atingida, ultimamente, por vários escândalos. Quatro bispos concorreram às eleições, numa campanha eleitoral classificada de “guerra santa” pelos meios de comunicação locais.

O favorito é o bispo de Kykkos, Nikiforos, que foi fortemente criticado pelo dinheiro gasto em sua campanha.

Fonte: Rádio Vaticano