Conselho Tutelar recebeu denúncias de que menores podem estar sendo vítimas de pedofilia, no povoado Lagoa do Pau, município de Coruripe.

O mais impressionante é que o principal suspeito se trata de um padre que já foi acusado do mesmo crime pelo Ministério Público Federal, o alemão, Benedikt Lennartz, 41 anos, conhecido por “Bené” que respondia pela comarca de Craíbas.

O que pode ser ainda mais grave é que de acordo com a Cúria da diocese de Penedo, o padre não pode celebrar missas e Benedikt foi o sacerdote que celebrou a missa do último final de semana, no povoado Lagoa do Pau, desrespeitando as ordens da igreja Católica

Resultado da operação Turko, deflagrada em maio de 2009 pela Polícia Federal, as investigações na residência do padre revelaram a existência de um disco rígido de computador contendo 1,3 mil fotos com cenas de sexo explícito ou pornografia envolvendo adolescentes.

Também foram encontrados indícios de navegação em pelo menos 10 sites de conteúdo pornográfico infantil. A perícia demonstrou ainda que Benedikt Lennartz tinha uma conta em um dos sites e que o pagamento para o acesso ao mesmo fora feito pela própria rede.

Pelo crime, o padre pode cumprir pena de reclusão de até 4 anos, além de pagar multa, como prevê o artigo 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente.

“Considerando que a aquisição do material pornográfico pelo réu foi feita pela rede mundial de computadores, o qual acessou diversos sítios estrangeiros com tal conteúdo e manteve as imagens obtidas armazenadas em seu HD, consoante prova presente nos autos, clara está a internacionalidade da conduta delituosa”, afirma a denúncia do Procurador da República Samir Cabus Nachef Junior.

Rede social- A Polícia Federal chegou ao padre a partir de uma denúncia acerca da publicação de imagens pornográficas envolvendo crianças e adolescentes em uma página do Orkut. A partir daí, a PF rastreou o usuário do perfil – um adolescente de 14 anos que usava o e-mail “queroummoleke_ativo@hotmail.com” -e realizou buscas na residência dele e no local de onde acessava a internet: a casa onde mora o pároco Benedikt Lennartz. As imagens foram encontradas apenas na casa do padre.

O padre não teve o processo julgado pela justiça por isso continua em liberdade. O Conselho Tutelar da cidade foi informado e deve ir ao povoado para comprovar a denuncia de mais abusos sexuais. Pelo primeiro crime o padre Benedikt deve cumprir penas de reclusão de até quatro anos, e multa de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Uma funcionaria da paróquia de Coruripe, confirmou que o padre reza missas no povoado. “Não tenho o telefone dele, para você falar com ele [Benedikt] tem que ir até o povoado”, falou Lurdes.

A reportagem encontrou em contato com o bispo Dom. Valério Breda para saber como anda as investigações contra o padre que está celebrando missas, mesmo suspenso de ordem eclesiástica. Breda, não estava na diocese.

[b]Fonte: Correio do Povo – AL
[/b]