Segundo pesquisa realizada com 1.014 pais e mães, passear com filhos aparece em 4º lugar. Para educadores, chama a atenção apenas 14% dos pais verem as brincadeiras como importantes aliadas no desenvolvimento infantil.

Pais afirmam ter mais prazer de assistir à TV do que passear ou brincar com os filhos. Ao mesmo tempo, só 14% deles vêem as brincadeiras como aliadas no desenvolvimento infantil. Os dados são de um estudo com 1.014 pais e mães de crianças entre seis e 12 anos de todas as regiões do país, feito pela Ipsos Public Affairs para a multinacional Unilever.

Entre as dez atividades mais prazerosas citadas pelos pais, passear com os filhos aparece em quarto lugar (com 22% das preferências), atrás de assistir à TV (48%), ouvir música (27%) e ficar com a família (25%). As mães relatam ter mais prazer nessa atividade (25% contra 19% dos pais), e o Sudeste é onde a taxa de prazer em sair com os filhos é maior (30% contra 10% no Norte e Centro Oeste).

Quando se trata de brincar com os filhos, o prazer fica ainda mais distante, em sétimo lugar -com 14%-, atrás de atividades como ir à igreja/culto (19%) e sair com amigos (17%). Neste quesito, os pais se saem melhor (16% contra 13%).

Assistir à TV também é a brincadeira mais freqüente para 97% das crianças, à frente de atividades como desenhar (81%), brincar de pega-pega (65%) e ler histórias (59%).

A escola é citada por 46% dos pais como o local onde as crianças mais brincam fora de casa. A rua foi mencionada por 40% deles -48% das classes D e E contra 19% das classes A e B.

Os dados da pesquisa integram a publicação “A Descoberta do Brincar”, um estudo inédito sobre as relações entre o brincar e o desenvolvimento da criança brasileira, que teve como relatora e consultora Maria Ângela Barbato Carneiro, educadora da PUC-SP.

Para ela, ao assistir à TV, os pais não interagem com os filhos e não se preocupam em criar atividades que interessem e motivem os pequenos. “Há o problema da passividade, a criança não reflete. Isso não significa deixar a criança alienada, mas ela deve ser orientada para refletir sobre o que vê.”

Segundo a educadora Adriana Friedmann, co-fundadora da Aliança para a Infância no Brasil, em muitas famílias, a TV já se transformou em um canal de comunicação entre pais e filhos. “A culpa da não-presença fica mitigada em colocar a criança na frente da TV, que tem efeito de hipnose.”

Na última década, diz ela, a conduta do educador tem sido mais de aceitar que a TV é um personagem na vida das famílias e lutar pela qualidade da programação.

Um dado que chamou a atenção dos educadores na pesquisa foi que apenas 14% dos pais vêem, espontaneamente, as brincadeiras como importantes aliadas no desenvolvimento infantil. Para 51%, a principal função do brincar é “deixar as crianças mais felizes”.

“É um misto de falta de conhecimento e de questão cultural. Nossa sociedade acha que brincar é perda de tempo ou só serve para divertir, não enxerga os benefícios”, diz Marilena Flores, presidente da Associação pelo Direito de Brincar.

Maria Ângela Carneiro acrescenta que os adultos desvalorizam as brincadeiras por acharem que elas não ensinam conteúdos às crianças. “Os pais estão preocupados com o futuro de seus filhos e pensam que os conteúdos escolares são os mais importantes.”

Para ela, o pior são os professores que também não valorizam as brincadeiras com parte do aprendizado. “Eles têm estudado muito o desenvolvimento infantil, graças às descobertas da psicologia, e ignoram sua prática na escola.”

Fonte: Folha de São Paulo