O papa Bento 16 se pronunciou contra qualquer mudança dentro da Igreja Católica do celibato sacerdotal e confirmou seu caráter obrigatório na primeira exortação apostólica de seu pontificado, divulgada nesta terça-feira pelo Vaticano.

“Eu reafirmo a beleza e importância de uma vida sacerdotal vivida no celibato como sinal de devoção total e exclusiva a Cristo, à igreja e ao Reino de Deus”, afirma o documento.

“Além disso, eu confirmo que permanece obrigatório”, escreveu o pontífice, interpretando assim a vontade da maioria dos bispos do mundo, que consideram inoportuno mudar esta regra, apesar do pedido de alguns setores para que a mesma seja modificada.

O texto doutrinal resume as tarefas da assembléia geral do sínodo de bispos “Sacramentum Caritatis” sobre a eucaristia “fonte da vida e da missão da Igreja”, celebrado em outubro de 2005. Para o papa “o celibato sacerdotal, vivido com maturidade, alegria e dedicação, é uma grandíssima benção para a igreja e a a própria sociedade”.

Este é o segundo documento doutrinal de Bento 16 depois da divulgação, em janeiro de 2006, de sua primeira encíclica, “Deus caritas est” (Deus é amor), na qual busca reconciliar o amor humano e a caridade cristã.

As encíclicas e exortações apostólicas são textos do chefe da Igreja Católica dirigidos aos bispos, religiosos e fiéis em geral.

Fonte: Folha Online