O papa Bento XVI também condenou as perseguições, discriminações, violência e intolerância especialmente na Terra Santa.

O papa Bento 16 condenou todas as formas de fanatismo e fundamentalismo religioso ou antirreligioso que impedem “a promoção e a tutela da justiça e do direito de cada um”, em mensagem divulgada nesta quinta-feira por ocasião do Dia Mundial da Paz, celebrado todos os anos no dia 1º de janeiro.

“A mesma determinação com que se condenam todas as formas de fanatismo e fundamentalismo religioso há de animar a oposição a todas as formas de hostilidade contra a religião, que limitam o papel público dos crentes na vida civil e política”, escreveu o papa em sua mensagem.

“O ordenamento jurídico em todos os níveis, nacional e internacional, quando consente ou tolera o fanatismo religioso ou antirreligioso, não cumpre com sua missão, que consiste na tutela e promoção da justiça e do direito de cada um”, acrescentou.

“Não se pode esquecer que o fundamentalismo religioso e o laicismo são formas especulares e extremas de rechaço do legítimo pluralismo e do princípio de laicidade”.

O papa também condenou as “perseguições, discriminações, atos de violência e intolerância” que sofrem as comunidades cristãs na Ásia, na África, no Oriente Médio e especialmente na Terra Santa.

“Peço a todos os responsáveis que atuem prontamente para pôr fim a todo atropelo contra cristãos que vivem nessas regiões”.

“Às comunidades cristãs que sofrem perseguições, discriminações, atos de violência e intolerância, em particular na Ásia, na África, no Oriente Médio e especialmente na Terra Santa (…) renovo meu afeto paterno e lhes asseguro minha oração”.

“A violência não se vence com a violência. Que nosso grito de dor seja sempre acompanhado pela fé, esperança e testemunho do amor de Deus”.

Em sua mensagem, o chefe da Igreja católica também pede que, “no Ocidente, especialmente na Europa, cessem a hostilidade e os preconceitos contra os cristãos, pelo simples fato de que tentam orientar sua vida em coerência com os valores e princípios contidos no Evangelho”.

A tradicional mensagem do papa é lida em todas as paróquias do mundo no dia 1º de janeiro e este ano foi dedicada ao tema da “Liberdade religiosa como caminho de paz”.

[b]Fonte: Folha Online
[/b]