Uma pastora brasileira está sendo acusada de ter abusado sexualmente de uma menor de 18 anos na cidade de Milford, em Massachusetts, nos Estados Unidos. A fundadora e pastora da Igreja Plenitude de Deus, Ana Paula de Almeida, de 31 anos, afirma ser inocente e diz que está sendo vítima de vingança por parte da família da garota.

No último dia 12, a polícia deteve Ana Paula em sua casa sob a acusação de ter abusado sexualmente da jovem 11 vezes em um período de quase dois anos (de 2006 a 2008). Na ocasião, a menina tinha 14 anos (hoje está com 16).

A imprensa americana noticiou ainda que a polícia investiga e conversa com mais jovens para saber se teria havido outros supostos casos de abusos por parte da brasileira, que terá que comparecer a uma nova audiência no próximo dia 27.

Ainda conforme jornais da cidade, após pagar uma fiança de US$ 500, a pastora foi liberada, mas com restrições: não pode se aproximar da menina ou da família dela, e tem de andar com um aparelho GPS no tornozelo.

Outro lado

Procurada em sua casa, por telefone, pelo G1, Ana Paula não quis dar declarações, mas confirmou que está com a tornozeleira, e que o jornalista Jehozadak Pereira é quem está dando a sua versão sobre o caso. “Vou fazer um pronunciamento através dele amanhã (terça-feira)”, afirmou ela.

“Eu sou amigo dela”, disse ao G1, por telefone, Pereira, que a imprensa americana aponta como porta-voz da pastora. “Mas não sou porta-voz”, completou. Ele disse que conversou com a pastora e publicou no jornal que edita para brasileiros na cidade, “A Notícia”, a versão dela.

“Ana Paula Almeida nega veementemente qualquer ato impróprio seja contra a adolescente que a acusa ou qualquer outra pessoa”, afirmou ele. “Atribui a acusação a um ato de vingança dos parentes da adolescente, já que no final do ano afastou de cargos diretivos na igreja onde é pastora, uma integrante da família da menina. Ainda de acordo com Ana Paula, estas pessoas prometeram se vingar dela, e crê que as denúncias sejam parte destas ameaças”, completa o texto. “O que está aí é a versão dela”, disse Pereira por telefone.

Segundo a versão da pastora, uma parente da garota que fez a acusação perdeu o cargo de copastora na igreja.

Os nomes da jovem e dos familiares dela não foram revelados pela polícia americana.

“(Ana Paula) Estranha ainda que somente agora é que as denúncias tenham surgido e que o desejo destas pessoas é somente o de difamação. Ana Paula afirma que diversas pessoas da sua igreja foram procuradas, pelo grupo de acusadores com o intuito de difamá-la, e que está sendo cometido uma injustiça contra a sua pessoa, reafirmando que não cometeu nada que pudesse prejudicar ninguém”, completa a reportagem.

Fonte: G1