Pastores evangélicos de vários municípios do Estado estão articulando um encontro de todas as lideranças do segmento em Rondônia para que possam colocar a limpo toda a onda de denúncias que caíram sobre o deputado federal Agnaldo Muniz (PP), candidato que foi escolhido para representar a Assembléia de Deus nas eleições de 2006 para a Câmara Federal.

Agnaldo foi denunciado no final da última semana como um dos membros da nova lista dos parlamentares envolvidos no esquema das Sanguessugas, máfia que atuava na aquisição de ambulâncias através de emendas parlamentares. A nova lista foi publicada pela Revista Veja, em sua edição do último sábado e divulgada na segunda pela CPI dos Sanguessugas. Agnaldo nega, mas as investigações apontam sua participação no esquema.

O pastor Nelson Luchtemberg, presidente da Convenção das Assembléias de Deus do Estado de Rondônia (Cemaderon) também está sofrendo os efeitos do estrago provocado pela denúncia das Sanguessugas.

Sogro

Ele é sogro de Agnaldo Muniz e um dos principais articuladores para a escolha do genro como representante da Assembléia de Deus na Câmara Federal na convenção realizada em maio deste ano em Mirante da Serra. Com certeza, terá muito que ter muito jogo de cintura para demover os pastores da idéia de mudar a representação da Igreja na Câmara Federal nas eleições deste ano.

Fonte: Folha de Vilhenar