Grupos de pastores, em Recife, se reuniram para declarar apoio aos presidenciáveis. Carta contra Dilma foi lançada pelo grupo que apoia Serra.

Um grupo de pastores evangélicos lançou uma carta aberta contra a presidenciável Dilma Rousseff e o PT. Com o título de “A graça e a paz do Senhor Jesus”, o texto, diz que é preciso se posicionar “a favor da família e contra o Partido dos Trabalhadores”. Para os evangélicos, existe “uma disputa polarizada entre dois grupos”. O primeiro, segundo os religiosos, “representa o desenvolvimento”. O outro (o PT) “representa uma ameaça às famílias”.

O documento foi entregue ao PSDB, nesta sexta-feira, na Associação dos Fornecedores de Cana, no bairro da Imbiribeira, em Recife, e oficializou o apoio desses grupos à candidatura tucana. O presidente nacional do partido, senador Sérgio Guerra, que estaria representando o candidato à Presidência José Serra, não pode comparecer. O senador paraibano Cícero Lucena (PSDB), então, representou Serra.

“O PT tenta imprimir, a partir de seu partido, leis esdrúxulas que ferem a Constituição e a liberdade das igrejas e seus ofícios religiosos. Quando o estado tentar interferir, a resposta vem do céu”, discursou o presidente da Convenção Batista Renovada, pastor Paulo Ortêncio.

Em outro discurso, o presidente do Conselho de Pastores, Pedro Rodrigues, exibiu um exemplar da revista Época de capa “Deus entrou na eleição”, para afirmar que “Deus nunca esteve for a da eleição, porque ele onipresente. “Temos que levar panfleto para distribuir na igreja e falar. Por que não devemos ensinar as ovelhas a serem conscientes, votar em bons candidatos? Muitas pessoas são analfabetas, o esclarecimento cabe à igreja”, disse o pastor, dando o tom do encontro.

[img align=left width=300]http://www.diariodepernambuco.com.br/midia/politica/eleicoes/galeria/2010/20101022202418p.jpg[/img]O bispo da Igreja Episcopal Carismática, Paulo Garcia, em um discurso repleto de frases de efeito afirmou: “Estamos sendo incomodados pelo Senhor para sermos profetas. Nunca vi uma eleição congregar pastores das mais diversas igrejas. A igreja tem o papel de denunciar o mal onde ele estiver”. Ele completou, dizendo que o atual governo tem demonstrado ser um “pigmeu ético”. “O mal será destruído e a vitória será do bem”, completou.

O reverendo Silas Menezes chegou a declarar que “a candidata do PT” representa “um risco muito grande”, pois pode “mudar a Constituição”, caso seja eleita. “Além de tudo, pode ser que ela não governe por conta da saúde (Dilma trata-se de um câncer). Ela está cada vem mais gorda”.

Ao prefeito de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, Elias Gomes, e ao senador Cícero Lucena coube falar em nome do PSDB. O primeiro centrou o discurso na carreira administrativa de Serra e lembrou que a estabilidade econômica do Brasil foi conquistada no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). “Não há política social mais eficaz do que controlar a inflação e valorizar nossa moeda”, frisou. Já o senador disse que é preciso eleger um candidato que “vai ajudar o país a ser justo, solidário e cristão. “Temos que agradecer a Deus a decisão das igrejas de participarem da vida pública”, encerrou.

[b]Evangélicos pernambucanos declaram apoio à Dilma Rousseff[/b]

Sob a coordenação da Igreja Universal do Reino de Deus, evangélicos de várias igrejas do Recife declararam apoio à presidenciável do PT, Dilma Rousseff. O evento aconteceu esta manhã, no Recife Praia Hotel, em Boa Viagem, com a participação do governador reeleito Eduardo Campos (PSB), e do coordenador da campanha petista no estado, o ex-prefeito do Recife e deputado federal eleito João Paulo (PT). “Nós temos liberdade de escolher e a nossa escolha foi por um projeto que está dando certo”, justificou o pastor Vilalba de Jesus, responsável pelo encontro. Segundo ele, as igrejas que aderiram a Dilma contam com mais de 100 mil seguidores.

Ao falar para a plateia, Eduardo Campos condenou a onda de boatos envolvendo o nome da petista e os segmentos evangélicos. “Fiquei muito triste ao ler nos jornais de hoje, onde está publicada a carta divulgada ontem pelos igrejas que apoiam o candidato adversário. Eles falam, inclusive, a doença da nossa candidata. Isso não é coisa de quem tem fé em Deus. Não devemos fazer política atacando ou difamando as pessoas. Vou morrer defendendo a democracia, inclusive para falar mal de mim. Mas falar da ideias e não da pessoa”, observou o socialista.

[img align=right width=300]http://www.diariodepernambuco.com.br/imagens/galeria/2010/20101023115430.jpg[/img]Aos evangélicos, Eduardo pediu empenho nesta última semana de campanha para trabalharem em prol de Dilma. Os argumentos para levar adiante a cruzada em nome da petista, segundo ele, são os benefícios trazidos para o estado pelo governo Lula para o Nordeste e para o estado. O governador citou a geração de emprego, os investimentos de Suape, como a refinaria Abreu e Lima e estaleiro Atlântico Sul. Além disso, falou da competência da aliada. “Lula a escolheu Dilma porque sabe das qualidades dela. É uma mulher corajosa, conhece o Brasil, tem conhecimento para traduzir a palavra em ação”, definiu.

João Paulo, por sua vez, destacou que os evangélicos terão um papel fundamental nessa reta final da campanha, no sentido de conscientizar os fiéis de suas congregações. “O governador que tem a gestão melhor avaliada do Brasil e precisa do apoio de Dilma, assim como contou com o de Lula”, observou. O encontro reuniu representantes da Igreja Universal do Reino de Deus, Assembleia de Deus, Brasil para Cristo, Igreja Batista, Igreja Evangélica Ministério Mato Grosso, Quadrangular, Casa da Benção, entre outras denominações. Logo após o evento, Eduardo e João Paulo seguiram para Petrolina, onde participam de uma carreata pró-Dilma.

[b]Fonte: Jornal do Commércio e Diário de Pernambuco[/b]