O patriarca ortodoxo de Moscou e de todas as Rússias, Aleksej II, disse, novamente, que um encontro com Bento XVI só será possível, depois de uma adequada preparação, e quando a Santa Sé cumprir as exigências do patriarcado, de diminuir o trabalho missionário católico na Rússia e na Europa Oriental. Trabalho que o patriarca define como “proselitismo”.

Aleksej II assinalou que os religiosos e clérigos católicos ainda mantêm “uma meta de proselitismo entre a população ortodoxa na Rússia” _ segundo informa a agência Interfax. Tal objetivo foi negado pelos representantes católicos.

“Antes de um encontro com o papa _ ressalta o patriarca _ devemos superar essas dificuldades que enfrentamos desde os anos 90.”

Depois da queda do regime comunista, o Patriarcado de Moscou se queixou, várias vezes, da obra dos missionários católicos em terras da ex-União Soviética.

Diante dessa situação, as autoridades católicas afirmaram que a meta não é converter os ortodoxos, mas sim atrair os russos que não participam de nenhuma Igreja.

Na opinião de Aleksej II, todavia, todos os russos são ortodoxos, inclusive aqueles que não pertencem a nenhuma Igreja.

Fonte: Rádio Vaticano