O delegado de polícia Rodrigo Gusso anunciou nesta segunda-feira que o pedreiro Oscar Gonçalves do Rosário, de 22 anos, confessou ter violentado a menina Gabrielli Cristina Eichhol, de um ano e oito meses.

A criança, estuprada e estrangulada, foi encontrada agonizando dentro de um tanque de batismo de uma igreja adventista em Joinville, Santa Catarina, no último dia 3.

Natural de Canoinhas (SC), o acusado tem passagem policial por furto e há dois anos foi suspeito de molestar duas meninas entre nove e dez anos. Segundo o delegado, na época as mães dessas menores não quiseram registrar a queixa.

Ao contrário do que se suspeitava, Rosário era desconhecido dos fiéis da igreja e Joinville e não fazia parte daquela comunidade religiosa. Após cometer o crime, ele fugiu e foi encontrado na sua cidade natal, a 300 km do local do crime. Ele havia chegado a Joinville em dezembro, à procura de trabalho.

O pedreiro, que alega que estava alcoolizado naquela manhã de sábado, diz que estava andando pela rua e viu a menina no pátio externo da igreja. Quando ela voltou para dentro do templo ele a seguiu.

De acordo com o delegado Gusso, que tomou o depoimento junto com outros três colegas e na presença do advogado do acusado, Rosário relatou o crime com grande frieza e naturalidade. Ele disse que nunca tinha estado no local e que nem sabia que o tanque era lugar de batismo dos fiéis. Para o acusado, segundo o delegado, era simplesmente uma banheira.

Embora não se configure a premeditação, os policiais entendem que houve dolo, ou seja, intenção de cometer o crime. Nesta terça-feira será realizada uma reconstituição dos fatos para esclarecer mais detalhes. Oscar Gonçalves do Rosário está preso e deverá ser indiciado por homicídio e atentado violento ao pudor.

Fonte: Estadão