Pela primeira vez em quase 15 anos a maioria dos americanos pronunciou-se contra o aborto, apesar de 53% das pessoas ouvidas tolerarem, “em alguns casos”, a interrupção voluntária da gravidez, revela uma pesquisa Gallup publicada na sexta-feira da semana passada.

De acordo com a sondagem, 51% dos americanos se disseram contra o aborto –posição chamada de pró-vida–, enquanto 42% se mostraram a favor –pró-escolha. O resultado é inédito desde 1995, ano no qual o instituto Gallup começou a realizar regularmente pesquisas sobre o assunto.

“Isto representa uma mudança significativa em relação há um ano, quando 50% se declaravam a favor do aborto e 44% contra”, explicou o Gallup, que ouviu 1.015 adultos entre os dias 7 e 10 de maio.

Embora haja uma mudança no equilíbrio entre os pró-vida e os pró-escolha, o direito ao aborto não parece ameaçado no país. O direito foi reconhecido em 1973 pela Suprema Corte no julgamento do caso “Roe versus Wade” e foi respaldado pela mesma corte em 1992.

Atualmente, a composição da corte, de nove membros, está dividida entre quatro conservadores, quatro liberais e um conservador moderado, mas os liberais –mais inclinados a favorecer a legalidade do aborto– podem chegar à maioria durante o governo Obama, que pode ter a chance de indicar até três novos juízes durante seu mandato. Os cargos são vitalícios, mas os juízes podem se aposentar quando desejarem, como fará o liberal David Souter, 69, que anunciou há duas semanas seu desejo de se retirar da Suprema Corte.

Fonte: Folha Online