[img align=left width=300]http://img.cancaonova.com/cnimages/canais/uploads/sites/11/2015/08/dom_sergio_CNBB.png[/img]

Em sua primeira visita ao Piauí como cardeal, o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Sérgio da Rocha, declarou que não existe saída para a crise do país sem superar a corrupção e que o “povo brasileiro não pode ser crucificado”. O religioso defendeu a necessidade urgente de reforma política, diálogo e separação entre público e privado.

“Misturar o público e privado na política traz consequências tristes para o povo e nossas famílias. O povo brasileiro não pode ser crucificado pela corrupção. Acima de tudo, precisamos de posturas cristãs diante da realidade social e política que aí estão. A primeira postura é a defesa da ética na vida pública, na política e no dia a dia da vida”, defende.

Segundo ele, resgatar a ética na política é um dos maiores desafios atuais no país.

“Rejeitamos a corrupção que acontece no mundo político, mas não podemos aceitar, aparentemente, atos pequenos de corrupção no dia a dia da pessoas. ‘Não’ a corrupção e a indiferença, e ‘sim’ a ética e participação política. A reforma política tem sido esquecida, tem se dado atenção apenas para outras reformas ” declarou, em entrevista coletiva na Residência Episcopal, na manhã desta quarta-feira (5), em Teresina.

O religioso criticou as reformas Trabalhista e da Previdência e insiste que as decisões não podem ficar restritas ao Congresso Nacional.

“Precisamos do Congresso Nacional dialogando com a sociedade civil organizada, precisamos do povo se interessando pelo o que se passa no Brasil, reflita sobre isso e se mobilize. Sabemos das dificuldades vividas no momento, onde há um certo descrédito em relação ao políticos e a polítca. Contudo, a política é muito importante na sociedade democrática. Não dá pra ter uma sociedade democrática sem mediação política. O alerta é para que não se perda direitos conquistados. Ao se fazer reformas, corre se o risco de desrespeitar direitos. É preciso mais diálogo e menos pressa na aprovação de reformas, pois elas mexem com a vida do povo”, acredita.

Apesar de não se pronunciar diretamente sobre eleições diretas, o cardeal reforça que a Constituição Brasileira deve ser considerada.

“Defendemos um novo modo de fazer política baseado na ética, na busca efetiva do bem do povo brasileiro. Na política, o cristão deveria fazer a diferença. A igreja não tem postura política partidária como instituição, mas incentiva os fieis a participarem da política”, declarou.

Em conversa com jornalistas, o presidente da CNBB, que já foi arcebispo da Arquidiocese de Teresina, também admitiu que sente saudades da capital piauiense.

“Chego a Teresina com saudades e gratidão. Aqui tem muita gente boa e generosa. Esse é um momento de alegria, reconhecimento e gratidão. Tenho a felicidade de reencontrar tanta gente querida que caminhou comigo nos tempos em que fui arcebispo e continua a caminhar na Igreja”, disse o cardeal.

Dom Sérgio também elogiou o papa Francisco e destacou o papel do pontífice no que considera os maiores desafios da igreja católica.

“O papa tem dado uma contribuição imensa a Igreja , seja esta, espiritual, missionária. Sobretudo, insistindo na importância da misericórdia, da acolhida fraterna, da simplicidade e da busca da Justiça. O papa tem contribuído para a renovação da vida da Igreja… nosso maior desafio é evangelizar diferentes situações como a realidade marcada pela pobreza, por exemplo, além de conjugar preocupações internas da Igreja com questões sociais”, disse o cardeal.

Sobre casos de intolerência em vários aspectos e agressividade, o religioso destacou a importância do respeito ao próximo.

“Temos insistido no diálogo e na convivência respeitosa entre as pessoas que pensam diferente. Quem pensa diferente não pode ser considerado um inimigo. Deve ser respeitado. Temos muito que aprender com o outro. Precisamos da postura de não violência nas redes sociais, nas ruas e nas famílias”, defendeu Dom Sérgio que, atualmente, é arcebispo de Brasília.

Na Capital, o cardeal será homenageado com a medalha do mérito Samaritano, comenda oferecida pela Arquidiocese de Teresina e Ação Social Arquidiocesana (ASA), a pessoas com relevantes trabalhos sociais.

[b]Fonte: Cidade Verde[/b]