O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Salam Fayyad, acusou nesta terça-feira Israel de lançar uma campanha para “isolar internacionalmente” sua organização e, assim, minar as negociações de paz.

“A campanha israelense só pode ser explicada como parte de um esforço planejado que busca abertamente nos isolar internacionalmente”, disse Fayyad à imprensa na cidade de Ramallah, na Cisjordânia.

O primeiro-ministro estava na cidade para inaugurar o Fundo al Karama, um projeto que visa a limpar os mercados palestinos de bens produzidos nas colônias judaicas em Jerusalém Oriental e Cisjordânia.

O chefe de Governo palestino acredita que o objetivo do governo de Binyamin Netanyahu é desprestigiar a ANP no exterior para fugir assim de suas “obrigações” na retomada do processo de paz, paralisado há mais de um ano.

Fayyad aludia às acusações contra o presidente palestino, Mahmoud Abbas, lançadas no domingo passado por Netanyahu, de incitar a violência ao apoiar a decisão de dar a uma praça o nome de Dalal Mughrabi, uma palestina que morreu ao sequestrar em 1978 um ônibus israelense, num ataque que deixou 37 mortos.

Posteriormente, a televisão israelense emitiu imagens de Fayyad durante um ato de queima pública de produtos dos assentamentos israelenses que eram vendidos em ruas e comércios do território palestino ocupado da Cisjordânia.

Fonte: Folha Online