Poucas horas antes da cerimônia da posse, o novo arcebispo de Mariana (MG), dom Geraldo Lyrio Rocha, 65, falou da importância do trabalho da imprensa na divulgação de fatos de corrupção política e declarou que é preciso “salvar” as instituições do país.

“A imprensa hoje, em uma sociedade que vai se redemocratizando, tem um papel importante de serviço à nação de divulgação dos fatos. Mas não basta só denunciar. É preciso que se apure e puna os responsáveis. A impunidade favorece o crime. Se alguém se apropriou do que é patrimônio público, que devolva aos cobres públicos”, disse o religioso.

Dom Geraldo, que também é presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), aproveitou a ocasião e lançou um apelo às autoridades políticas: “Precisamos salvar as instituições, aquelas que garantam uma democracia efetivamente participativa, que permita a intervenção dos cidadãos de bem da sociedade.”

Sobre a nota publicada pela CNBB na quinta-feira, que afirma que a corrupção enfraquece a democracia e conclamava os cristãos a se engajarem no exercício da vida política, dom Geraldo disse que a entidade “não poderia ficar silenciosa”.

“Manifestamos a nossa perplexidade, que não é só nossa, mas sim da sociedade brasileira na qual participamos, diante da avalanche de notícias de corrupção.”

Dom Geraldo afirmou ainda que pretende levar ao Vaticano o processo de beatificação de dom Luciano Mendes de Almeida, seu antecessor na arquidiocese, que morreu em agosto do ano passado aos 75 anos.

A nomeação de dom Geraldo para a mais antiga arquidiocese de Minas Gerais ocorreu no último dia 11 de abril, pelo papa Bento 16.

Fonte: Folha Online