Professores cristãos de Gombe estão sendo ameaçados de morte, a exemplo do que ocorreu com Christianah Oluwatoyin Oluwasesin, espancada e morta por estudantes e extremistas muçulmanos no dia 21 de março, depois de ter sido acusada de profanar o islã.

Henry Ndukuba, presidente da Associação Cristã da Nigéria, disse à organização de direitos humanos CSW que a situação está excessivamente tensa após a prisão dos suspeitos do assassinato da professora Christianah. O julgamento deles está marcado para o dia 23 de julho.

Segundo ele, está cada vez mais comum ouvir falar de estudantes muçulmanos atacando pessoas nas ruas e declarando em alta voz que não aceitarão que ninguém seja responsabilizado pela morte da professora.

No dia 21 de março, para evitar que os alunos colassem na prova, Christianah recolheu as bolsas de todos eles, como é de costume se fazer, e as colocou na frente da sala de aula. Uma garota reclamou que seu Alcorão, que estava dentro da bolsa, havia sido profanado porque a professora cristã havia segurado a bolsa.

Medo

Muitos professores cristãos estão sofrendo ameaças. Na quinta-feira passada, todos eles pediram licença das aulas até o dia do julgamento, por questões de segurança.

“Não tem sido fácil. De 1989 para cá ocorria um caso ou outro de perseguição. Em 2002, um estudante cristão foi morto. Este ano foi a professora. Não podemos continuar assim”, disse Henry Ndukuba.

“Quando alguém paga o preço por seus atos, os demais aprendem”, disse ele, ao defender um julgamento justo para os autores da agressão.

Fonte: Portas Abertas