A Rússia não descarta a possibilidade de vetar a exibição do novo filme da Disney, A Bela e a Fera, se as autoridades considerarem que a obra infringe a lei que proíbe qualquer alegada “propaganda gay” a menores de idade no país.

[img align=left width=300]https://abrilveja.files.wordpress.com/2017/01/a_bela_e_a_fera2.jpg[/img]A revelação foi feita pelo serviço de notícias da rede inglesa BBC e ecoa manifestações como a do deputado russo Vitali Milonov, que afirmou neste sábado que o filme faz uma “desavergonhada propaganda do pecado” e do próprio ministro russo da Cultura, Vladimir Medinsky, que anunciou que o governo avaliará se a produção infringe a lei local.

Bill Condon, o diretor do filme que vai estrear em 16 de março na Rússia, revelou que mostrará “o primeiro momento gay” em um filme da Disney, apesar de alguns críticos já terem anunciado que as imagens do personagem LeFou, vivido pelo ator Josh Gad, estão longe de ser escandalosas.

O deputado Milonov pediu ao ministro da Cultura que organize uma projeção especial antes da estreia, a fim de “tomar medidas para vetar totalmente sua exibição, se forem encontrados elementos de propaganda homossexual”. O deputado é um dos principais entusiastas da lei russa contra a “propaganda gay”, assinada pelo presidente Vladimir Putin em 2013.

Essa lei, que levantou muitas críticas na comunidade internacional, proíbe a distribuição de informações capazes de despertar o interesse de menores pelas “relações sexuais não-tradicionais”, e vem sendo utilizada como pretexto para banir qualquer manifestação em defesa dos gays no país, além de servir de justificativa para ataques homofóbicos.

A primeira cena gay de uma produção família da Disney também despertou reação nos Estados Unidos: [url=https://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=33518]um cinema no Alabama cancelou a exibição de A Bela e a Fera em nome dos bons costumes[/url].

[b]Fonte: Veja.com[/b]