Membros de uma seita russa estão reclusos em um buraco na região de Penza, centro do país, porque acreditam que o fim do mundo está chegando, informaram fontes locais.

Os fiéis, seguidores do místico Piotr Kuznetzov, abriram fogo contra a polícia que tentava convence-los a voltar à superfície.

O líder do grupo, Vitali Niedogon — o criador da seita Kuznetzov está em um manicômio há algum tempo — atirou duas vezes a partir de um tubo de ventilação instalado para que resistam sob a terra ao “iminente” fim do mundo.

Segundo a polícia, os seguidores da seita continuam com vida, mas podem acabar soterrados por um deslizamento de terra. Os agentes informaram que não tentarão resgatá-los à força, para não pôr em risco a vida das 30 pessoas, entre as quais, crianças.

O grupo está recluso há quatro meses, e dispõe de água e comida abundantes, suficientes para ultrapassar o dia 28 de maio, considerado o fim do mundo.

Kuznetsov é considerado doente mental, e foi investigado sob suspeitas de incitar a hostilidade religiosa e instituir uma “organização perigosa” para a vida dos cidadãos, disseram especialistas.

Fonte: Ansa